Nosso Blog

Brise: uma tendência ecológica

O ‘brise’ é uma tendência que enriquece os principais projetos arquitetônicos de residências, hotéis e escritórios, além de contribuir com o meio ambiente. O conceito principal do brise é poder aproveitar ao máximo a luz solar e a brisa natural, aliás, funcionalidade que deu origem ao seu nome: ‘Brise-Soleil’, em português, bloqueador solar.

Inspiração_brise_fachada_postagem_madenwood_madeira_biosintética_

Sua função se destaca por proteger e estabilizar a temperatura, evitando o super aquecimento solar no ambiente. Também atua na proteção contra a radiação solar, sem restringir a iluminação natural. Portanto, sua justificativa já deixa explícito seu potencial em prol da sustentabilidade, não é? A economia do consumo de energia com lâmpadas e equipamentos de resfriamento é realmente significativa.

1. Como é desenvolvido um brise?

O brise pode ser desenvolvido com diversos materiais, dentre eles, a madeira sempre é a opção que mais se destaca. A madeira além de sua versatilidade e beleza, é uma escolha certa pela sua capacidade de estabilizar a temperatura, ou seja, ela é capaz de absorver a temperatura, sem sobreaquecer o ambiente. 

Quanto aos modelos, esses ficam à caráter da criatividade do arquiteto, que pode optar pelo clássico, em linhas verticais ou horizontais, ou no desenvolvimento de  design diferenciado.

Atualmente podemos encontrar diversas formas de aplicação deste dispositivo, desde móveis até em formatos absolutamente criativos! Confira alguns modelos: 

2. Apesar de completamente contemporâneo, você sabia que este sistema já existe há muito tempo?

Edifício Gustavo Capanema por Le Corbusier.
Edifício Gustavo Capanema por Le Corbusier.

A história não sabe precisamente afirmar a origem deste dispositivo mas o brise, como vemos hoje, surgiu na primeira metade do século XX durante a tendência de racionalismo arquitetônico.

Entre as décadas de 30 e 40 o arquiteto Le Corbusier trouxe ao mundo o conceito e a funcionalidade do Brise para a arquitetura. Acredita-se que Le Corbusier se inspirou em projetos anteriores que tinham a estética ou funcionalidade de proteger um ambiente contra o calor e o sol. Dentre as possíveis inspirações, é válido citar os designers das janelas treliçadas anteriores ao século XVII, com a real popularização das janelas de vidro. Outra possível fonte de inspiração para Corbusier pode ter sido a persiana,  criada por Pierre Le Fou em 1824, com um sistema de algodão engomado e lâminas móveis.

De qualquer forma, atualmente, a arquitetura utiliza-se da funcionalidade desta invenção, para deixar seus projetos cada dia mais sustentáveis e funcionais. Para isso, arquitetos precursores desta nova tendência, racionalista e conscientes com a sustentabilidade, trazem em seus projetos uma nova versão ainda mais ecológica, usando materiais de reuso ou tecnológicos para o desenvolvimento deste mecanismo de brise. A madeira biossintética destaca-se neste movimento, pois além de ser o único tipo de material 100% ecológico, ainda consegue manter as principais características da madeira natural.

3. Como escolher o material ideal para produzir um brise ecológico?

Para isso, aposte na madeira biossintética, pois além de garantir a textura da madeira natural e sua estabilidade térmica, ainda oferece uma durabilidade por gerações, com baixíssima manutenção, dependendo do compósito utilizado. Na hora de escolher a madeira biossintética, opte por produtos com maior percentagem de madeira natural  em sua composição.

madeira-biossintética-alta-resistência-durabilidade-madeira-de-luxo-sustentável

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!